Inspiração expressa em bordados, pinturas, madeira, cerâmica, couro, macramês… A Feira Fuxico da Escola é sempre uma oportunidade de encontrar peças criativas do nosso artesanato. E não foi diferente nesse dia 12 de julho, quando a Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho (EAOTPS), equipamento gerido pelo Instituto Dragão do Mar ligado à Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, sediou a sétima edição da Feira que já virou tradição em Fortaleza. O objetivo é proporcionar um espaço para divulgação e comercialização das produções artesanais de alunos(as) e ex-alunos(as) da Escola, em sua maioria jovens estudantes de escola pública, e de artesãos locais. Porém, mais do que estimular o comércio de uma variedade de peças artesanais, a Feira é espaço encontro. Assim atesta seu Diógenes, tradicional artesão de madeira e ferro: “é muito bacana ver e rever aqui colegas e amigos”.
Hoje com 68 anos, seu Diógenes começou a se interessar pelo artesanato precocemente, com apenas oito anos. A longa experiência não lhe impede de querer aprender ainda mais. “O artesão não se faz, ele já nasce artesão e se aprimora com o tempo. Eu sempre estou fazendo alguma novidade, inovando, e trago para aqui para a Feira”, ressalta. O que aprende, não fica guardado. Seu Diógenes encontrou na Escola a oportunidade de repassar seus saberes e fazeres. “Sempre sonhei em lecionar, aqui encontrei muito apoio”, afirma orgulhoso ao lembrar que já ministrou dois cursos de artesanato em madeira na EAOTPS.
Sendo local de encontro, a Feira Fuxico tem espaço também para novos talentos e empreendedores, como Leticia Santiago que participou pela primeira vez da iniciativa juntamente com outros dois amigos artesãos, trazendo peças de macramês, cerâmica e bordado. Encontraram na Feira “um espaço que incentiva os artesãos, um espaço de partilha que casa muito bem com a valorização dos trabalhos manuais”, destaca.
A opinião é ratificada por Marley Uchoa, coordenadora da EAOTPS: “além de promover a comercialização de produtos e uma relação direta com o público consumidor, o Fuxico estimula a troca de informações e técnicas entre os artesãos de diferentes gerações”. Iara Reis, bordadeira, instrutora da EAOTPS e coordenadora dessa edição do Fuxico, segue na mesma linha: “o Fuxico da Escola é um espaço para oportunizar divulgação dos trabalhos dos alunos e ex-alunos, estimulando a produção do nosso artesanato enquanto expressão cultural”.
Nessa edição, o Fuxico da Escola teve uma programação sintonizada com a valorização da cultura cearense. Forro pé de serra, com a dupla Camila Barros e Victor Santiago, quadrilha junina Fogo de Paixão e Maracatu Rei Zumbi foram as atrações que animaram o público. Que venham novas edições, para fortalecer ainda mais nossa cultura e criatividade artesanal!

Skip to content